Tuesday, March 31, 2009

Bacalhau gratinado com tomate e batatinhas salteadas



Num dos nossos, agora, habituais almoços resolvi fazer um prato com algumas coisas que o Tiago torce um pouco o nariz mas o resultado foi extremamente positivo: prato vazio no fim da refeição

Ingredientes (2 pessoas):

- 7 ou 10 batatas (pequeninas)
- 1 cebola grande
- 2 dentes de alho
- 250g de bacalhau (já demolhado)
- 4 tomates pequenos
- 6 azeitonas
- 1 courgette pequenina
- 1 c.s. de polpa de tomate
- noz-moscada q.b.
- sal q.b.
- óregãso q.b.
- pimenta q.b.
- azeite q.b.

Preparação

Coza as batatas com um pouco de sal durante 7 minutos ou até estarem cozidas mas não ao ponto de se desfazerem.
Entretanto escalde o bacalhau e depois de cozido desfaça-o em lascas retirando as espinhas e as peles.
Numa frigideira faça uma cebolada com a cebola cortada em rodelas e o alho. Junte o bacalhau em lascas e envolva-o bem, Tempere com noz-moscada, pimenta e reserve.
Nessa mesma frigideira acrescente mais um fio de azeite, outro dente de alho fatiado e junte os tomates pelados e sem sementes e deixe refogar.
Adicione a polpa de tomate, as azeitonas, desencaroçadas, óregãos e um pouco de sal.
Num tabuleiro coloque uma camada de rodelas de courgettes, por cima disponha o bacalhau e finalize com o molho de tomate.
Coloque no forno, 180º, cerca de 8 ou 10 minutos para gratinar.
Enquanto isso salteie as batatas numa frigideira num fio de azeite ou então manteiga e adicione um pouco de óregãos e se gostar umas rodelas de chouriço para lhes dar um sabor diferente.

Pode também já no prato de servir colocar um pouco de broa em migallas para lhe dar ainda mais charme.

Saturday, March 28, 2009

Glossário Gastronómico - Tempura

Tempura: é um prato clássico da culinária japonesa. Consiste em pedaços fritos de vegetais ou mariscos envoltos num polme fino. A fritura é realizada em óleo muito quente, durante apenas cerca de dois ou três minutos.

A palavra tempura poderia ter sido derivada tanto da palavra portuguesa "tempero", como de "têmporas", nome que designa os períodos de jejum realizados no catolicismo, tais como a Quaresma.

Hoje em dia ainda existe um prato em Portugal muito semelhante à tempura, denominado peixinhos da horta, que consiste em pedaços de feijão-verde fritos envoltos num polme geralmente mais espesso que o da tempura.

Friday, March 27, 2009

Glossário Gastronómico - Polme

O polme é uma preparação culinária utilizada na fritura de determinados alimentos. É uma massa de consistência mole, com a qual se envolvem os alimentos antes de os fritar.

Os seus ingredientes principais são a farinha de trigo, o ovo e a água. A sua espessura pode variar, existindo polmes finos e polmes mais grossos, consoante a sua composição.

Pode ser utilizado, por exemplo, na preparação de peixe frito, pataniscas de bacalhau, peixinhos da horta ou tempura.

O seu nome deriva do vocábulo latino pulmentu, que significa polpa.

Wednesday, March 25, 2009

Reduction

Reduction: In cooking, reduction is the process of thickening or intensifying the flavor of a liquid mixture such as a soup or sauce by evaporation.

Tuesday, March 24, 2009

Glossário Gastronómico - Redução

Redução: Na linguagem culinária redução é um processo que consiste em tornar espesso ou intensificar o sabor de uma mistura líquida, como uma sopa ou molho por evaporação.

Monday, March 23, 2009

Curso Vaqueiro = 1 certeza



Cozinhar é criar e experimentar, e foi exactamente isto que eu fiz. Inscrevi-me num curso da Vaqueiro denominado a Nova Cozinha Portuguesa e durante cerca de 4 horas aprendi, diverti-me e experimentei excelentes sabores.

A aula começou com uma apresentação dos presentes sobre o que nos levou a inscrever-nos no curso, seguido de uma explanação sobre as receitas que iríamos confeccionar em grupos de 2. Seguiu-se então a confecção dos pratos, espreitadelas aos cozinhados dos “vizinhos”, requinte do empratamento e depois a merecida degustação dos 4 pratos com muita conversa à mistura sobre o fascinante mundo da gastronomia, chefes, restaurantes, técnicas e afins.

Creio que o curso só pecou num pormenor, o facto de não haver um enquadramento teórico relativamente ao tema em si, a Nova Cozinha Portuguesa.

O menu consistia em:

Peixinhos da horta com migas de grelos e feijão-frade

Bacalhau no forno com espinafre sobre esmagada de grão

Bife da vazia com queijo e molho de cerveja

Travesseiro de formigas

Uma experiência sem dúvida a repetir, muito embora não seja nada fácil arranjar vaga nestes cursos dado o elevado número de participação, mas vontade não me falta.

No final ofereceram-nos um diploma de participação, um belo avental e um carrinho para as compras.

Sai de lá com um enorme sorriso nos lábios, com uma maior dose de confiança para cozinhar e uma grande certeza, é mesmo a gastronomia que norteará o meu futuro, doa a quem doer e custe o que custar.

Wednesday, March 18, 2009

Alface


A alface contém grande quantidades de beta-caroteno, vitamina C, ferro, cálcio, e potássio, podendo variar nas suas quantidades de acordo com a espécie do alface (americana, lisa, de folha solta, romana, de cordeiro, etc).

Por possuir baixo valor calórico e ser rica em fibras, a alface pode ser adicionada às saladas e na preparação de um prato principal altamente nutritivo.

Um outro importante benefício conferido à alface e às verduras de coloração intensa é a presença de bioflavonóides, que junto à vitamina C têm acção anticancerígena.

Tuesday, March 17, 2009

Gourmet e mais Gourmet e acima de tudo caro e mais caro

Hoje resolvemos passar na loja gourmet do El Corte Inglês para dar uma vista de olhos pelo que por lá tinham. De facto a oferta é grande, desde queijos, enchidos, pasta e mais pasta, vinho, azeite, compotas, especiarias, chocolate, café, fruta, foi gras, produtos vegetarianos e por aí em diante. Mas os preços..........meu Deus que valores são aqueles?

Tudo bem que a qualidade tem um preço superior ao banal, mas em tempos de crise assustei-me com aqueles valores, quase tudo demasiado inflacionnado.

Estava à procura de queijo parmesão (parmigiano-reggiano) mas era tão caro que pensei várias vezes antes de o comprar, mas lá o fiz (200g por 5euros) pois o parmesão ralado que normalmente encontramos no supermercado não é bem a mesma coisa, não é?

Parece que gourmet é sinónimo de dispendioso e elitista, mas que raio de coisa, fiquei mesmo indignada pois a minha real vontade era trazer uma série de coisas para experimentar e somente o parmigiano-reggiano veio no saco.

Grande frustração, a de não ter muito dinheiro para gastar e a de ver produtos demasiado caros, mesmo tendo em linha de conta que se tratam de produtos certifcados. Enfim...

Sunday, March 15, 2009

Amêndoa


Estudos científicos indicam que ingerir uma porção de amêndNegritooas diária, como parte de um estilo de vida saudável, pode diminuir os níveis do colesterol mau, ou o LDL, e ajudar a reduzir o risco de doença cardíaca.

Existem compostos anti-oxidantes na casca da amêndoa - além de sua forma natural da vitamina E - que pode proporcionar efeitos positivos na saúde quando ingeridos com a parte comestível da amêndoa.

Um estudo da King's College em Londres mostrou que as paredes da célula das amêndoas participam da absorção da gordura da amêndoa pelo corpo. Ao ingerir amêndoas, a mastigação rompe somente algumas paredes da célula, deixando algumas amêndoas intactas. Devido a algumas amêndoas terem se mantido intactas, nem toda a gordura foi liberada para a digestão. Isso sugere que as amêndoas podem ser um alimento com mais baixas calorias do que o suspeitado, pois nem todas as calorias da gordura são absorvidas.

É também uma boa fonte de proteína.

Saturday, March 14, 2009

Gastronomia a 3 Línguas

Frutos Secos_ Nuts_ Frutos de Cascara

Castanhas – chestnuts – castanas
Nozes – walnuts – nueces
Avelãs – hazelnuts – avellanas
Pinhão – pine nuts – pinones
Amendoins – peanuts – maní
Amêndoa – almond – almendras
Passas – raisins – passas

Wednesday, March 11, 2009

Londres, o futuro qe nos espera

Ai que friozinho bom!




Aqui estão algumas das muitas fotos que eu e o meu Tiago tiramos em Londres e que espelham o quão cosmopolita e agradável é a capital inglesa.

Foi uma viagem há já muito planeada e o resultado foi: 65km percorridos a pé durante 4 dias, mais 2 dias passados entre aeroportos (Faro e StanSted), viagens de comboio e autocarros...estafante.

Visitamos a grande maioria dos locais emblemáticos daquela cidade, deliciei-me com os muitos Starbuck`s e Costa Coffe que por lá existem (basicamente em todas as esquinas), os vários parques onde o verde abunda e com todo o civismo que por lá habita.

Optamos por não andar de metro e apenas andamos 2 vezes de bus, pois conhece-se melhor um local quando o percorremos a pé e foi exactamente isso que aconteceu.

Munidos de um bom mapa da cidade, percorremos os mais variados pontos de interesse que constam nos roteiros turísticos e não só e a cada rua percorrida dizíamos um para o outro “olha só aquele edifício”…

Ficamos estupefactos com a quantidade de carros topo de gama que circulam naquela cidade, cerca de 60% dos carros que víamos eram de marcas luxuosas.

Outro facto interessante foi a quantidade de vezes em que ouvimos a palavra sorry, dita por tudo e por nada.

Espanhol, italiano e francês, as línguas que mais ouvimos por lá, pois os turistas destes 3 países enchem as ruas de Londres sempre muito movimentadas e onde o comércio tradicional ainda é rei.

Caso tudo corra como esperamos, dentro de meio ano estaremos de regresso Londres, o Tiago para estudar e eu para me informar do mercado de trabalho para depois do curso de gastronomia.

Aproveito para agradecer a enorme paciência do meu Tiago, pois não sou muito fácil de lidar em viagens, assim como agradeço a tua excelente companhia. Obrigada meu anjo.
Tudo vai correr bem e aquela será com certeza o teu futuro destino de estudo e de trabalho.

O grande amigo do Tiago em Hyde Park.






Um dos principais motivos que nos levaram a Londres, London School of Economics and Political Science.

Ai que saudades deste café que até a alma aquece.





Pose artística em Frente à Ria Formosa na chegada à estação de comboios de Faro.

Cenoura


Considerada a "Rainha dos vegetais" esta raiz de cor vermelha alaranjada (embora se encontrem outras variedades de cor branca e violeta) constitui um verdadeiro concentrado vitamínico: Muito rica em provitamina A (substância transformada no fígado em vitamina A), vitamina A, ideal no combate aos problemas da visão com função específica na retina; complexo B e vitamina C.

Além do seu teor vitamínico apresenta também uma grande riqueza em sais minerais: ferro, cálcio, potássio, fósforo, níquel, cobre e iodo.

Em contrapartida não é muito rica em glúcidos daí poder ser consumida em dietas de emagrecimento.

Tem propriedades diuréticas, são purificadoras e reguladoras das funções digestivas e auxiliam na cicatrização das feridas.

Beber um copo de sumo de cenoura diariamente vai contribuir também para que a pele adquira uma tonalidade bonita e bronzeie mais facilmente.

Chef Claude Troisgros



Claude Troisgros is a chef of French origin but one who has surrendered himself to the beauties of tropical Brazil. As a graduate from Thonon Les Bains Hotel School, Claude arrived in Brazil in 1979, as a member of chef Gaston Lenôtre’s team at the Pré Catelan, Rio de Janeiro.
Troisgros is most acclaimed for being responsible for creation a solid connection between the Brazilian and French cuisines, as the ingredients he uses mix the French gastronomic technique with exotic and tropical products, making his restaurant “Olympe” a unique experience

The name Troisgros is a familiar one to the world of gastronomy, as Claude is the third in line of a family of chefs. His family started its tradition in France during the 1930s. Jean Baptiste (his grandfather), was quite a pioneer, known for his daring culinary creations which earned him the fame for breaking some of French cuisine’s taboos, as for example, suggesting red wine to go along with fish.

Walking on the footsteps of his Jean, his sons – Pierre and Jean – were the creators of what is now called the “Nouvelle Cuisine Française”.

The third generation is equally committed to preserve the family’s tradition, not only in France, as Michel is (who took over the “Troisgros” restaurant - Roanne), and Anne Marie, at the “Gravelier” – Bordeux, but also in Brazil, with Claude.

Nevertheless, if the Troisgros family revolutionized the French cuisine with its “nouvelle cuisine”, Claude caused an equal revolution by combining tropical ingredients to the exquisite cuisine of his own country. After a short stop at “Búzios”, Claude began to call some attention to himself, and soon thereafter, he was considered being the best chef in Brazil.

The restaurant “Claude Troisgros” has been receiving consecutive 3 stars in Michelin’s Four Wheels Guide, besides equally numerous evaluations naming it the best French restaurant in Brazil.

In June, 2005, his creative cuisine, one that conquered the hearts and minds of the audience and critics alike, was presented at every supermarket shelves and delicatessens that now sell his own line of products, developed with the partnership with Sapori, one of the most traditional and prestigious manufacturers of canned crafts.

He also runs a TV show (at GNT channel), and is the author of several books, which can be seen here http://www.claudetroisgros.com.br/livros.htm

Monday, March 09, 2009

Batatas e mais Batatas


Batatas e mais batatas. São inúmeras as espécies de batatas, cada qual com a sua aptidão culinária. Contudo, o que temos no nosso mercado resume-se á batata branca, vermelha e pouco mais.

Depois de ter lido sobre a matéria, descobri que a escolha de uma batata não é assim tão fácil e leiga. É necessário conhecer minimamente os vários tipos de batatas para que estas ganhem a consistência que desejamos.
Pouco sabia desse assunto, mas pelo que li espero elucidar-vos um pouco melhor quanto a este produto que veio para a Europa pelas mãos de nuetros hermanos, os espanhóis em 1570.

Fritar. Ao escolhermos as batatas para os nossos cozinhados a questão essencial é o teor de amido, quanto mais elevado for melhor é a batata para fritar, porque ao cozer a batata desfaz-se. Uma boa sugestão é a batata Desirée, de Trás-os-Montes, de polpa amarelada pele vermelha (batata com indicação de origem geográfica). Para que fiquem rijas e estaladiças depois de fritar as batatas têm de ter um teor de amido elevado.

Cozer. A batata para cozer deve ser mais macia e ter um baixo teor de amido, tal como as batatas para assar e guisar (como a batata Kennebec, de Trás-os-Monte, de polpa e pele branca).

Biológica. Essas, como são cultivadas sem fertilizantes químicos acabam por levar mais tempo a cozer. Como têm muita matéria seca e são mais rijas, uma vez que possuem menos água, revelam boa aptidão para fritar e também para cozer.

Batatas novas ou Primor. Caracterizam-se por terem a pele fina, que não precisa de ser retirada quando se assam ou cozem.

Um último pormenor, não guarde as batas à luz, pois correm o sério risco de ganhar um tom esverdeado, (fenómeno associado à clorofila), nem no frigorifico porque ai fiam doces (devido ao amido que se transforma em açúcar).

Espero que estas indicações vos possam ser úteis. Para mim são certamente.

Chef Jordi Roca



El Celler de Can Roca, one of the hot restaurants of the season, in Girona Spain, currently occupies the 26th place at Restaurant Magazine’s top 50 list, and is run by three Roca brothers: Joan, Josep and Jordi. It is precisely about Jordi that we will talk about in this Gourmet in English post.

Jordi is known to be the confectioner who, together with his brothers, prepare a gastronomy made for the senses, as the aromas, flavours and textures are worked along with a balanced shape in order to extract complex sensations.

And how do you get them to work?
Jordi, has specialized his work in “smoky’s cuisine” (a term used in Brazil). That is, through specific equipment, he can mix smoke in some aromas so that dessert acquires a new flavour.

Quoting the author himself, it all started “one day, my brothers caught me smoking a cigar while making an ice cream. The pure smoke gave it a terribly delicious flavour, so my risky invention worked all right”. And thus another or already many inventions was created by the hands of a Catalan, right into the high circles of world gastronomy.

To understand the result of the creation, you can find close to the dessert a sample of the perfume used to the customer can compare the flavour to the aroma.

It’s absolutely astonishing how this chef managed to mobilize the entire community of chefs with his perfumed meals: desserts that feel like famous fragrances, such as Calvin Klein, Gucci, Channel, etc.

Sunday, March 08, 2009

Salmão


Salmão. Saudável, delicioso e com um excepcional valor nutritivo encontrado em poucos outros alimentos (ácidos gordos ómega 3).

Por ser rico em ácidos gordos ômega-3, gordura necessária ao nosso organismo, é considerado como protector do coração, pois evita a formação das placas que obstruem as artérias, controla a pressão arterial, reduz o colesterol e combate os triglicerídeos, prevenindo assim, a ocorrência de problemas cardiovasculares.

Para aproveitar os benefícios do ômega-3, recomenda-se o consumo de duas refeições semanais à base de peixe (principalmente sardinha, cavala, arenque, atum ou salmão).

Saturday, March 07, 2009

Gastronomia a 3 Línguas

Carne_Meat_Carne

Vaca – beef – vacuno
Novilho - - ternera
Porco – pork – cerdo
Frango – chicken – pollo
Coelho – rabit – conejo
Faizão – phaisant – faisón
Peru – turkey – pavo
Cabrito – goat – cabrito
Borrego – lamb – cordero
Veado – deer – venado
Pato – duck – pato
Fiambre – jam –
Presunto – ham – jamon
Chouriço – chourizo – chorizo
Salsicha – sausage – salchichas

Azeites DOP


Falo-vos hoje de azeite, uma preciosidade da nossa dieta mediterrânea. Uma gordura vegetal que deve substituir outros tipos de óleos na confecção de qualquer prato e que todos os principais chefes de Portugal, Espanha e/ou Itália (não me posso olvidar do britânico Jamie Oliver que o venera) elegem como a sua gordura de eleição.

Até à pouco tempo atrás, baseada na a sabedoria popular (errada neste caso), pensava que o grau de acidez de um azeite constituía como o seu principal critério de classificação. No entanto, o que realmente diferencia um azeite é o seu sabor e cheiro, devido à variedade da azeitona, que pode originar azeite com um cheiro e sabor a azeitona madura ou verde, com nuances de maçã, batata, frutos silvestres, figos e/ou tomate e ser mais ou menos amargo e picante conforme a riqueza em polifenóis, antioxidantes que, aliados ás vitaminas A, D, E e K tornam o azeite um produto tão apreciado.

Em Portugal existem seis Zonas de Denominação de Origem Protegida (DOP) com azeitonas e azeites diferentes. A saber:

Azeite de Moura [DOP] é produzido em Moura, cidade rodeada de olivais e com muitos lagares. Azeite frutado, amargo e picante.

Azeite de Trás-os-Montes [DOP] produzido em 12 concelhos. Fino e complexo com odor a frutos secos.

Azeite do Ribatejo [DOP] produzido na zona de Santarém.

Azeites do Norte Alentejo [DOP] um azeite que alia o frutado da azeitona com a sensação forte da maçã e de outros frutos.

Azeites da Beira Interior [DOP] na Beira Alta ou na Beira Baixa, encontra azeites marcados pelo clima e pelos solos das Beiras. Mais complexos em cheiro e sabor.

Azeite do Alentejo Interior [DOP] com produção espalhada por 11 concelhos do coração alentejano, caracteristicamente é dourado/esverdeado e tem um sabor suave.

A qualidade dos azeites é avaliada em laboratório, onde as medições de acidez, oxidação, cor, cheiro e sabor determinam a classificação em categorias distintas; virgem extra, se isento de quaisquer anómalas; virgem, se há defeitos muito ligeiros; lampantes, se não têm qualidade suficiente para serem consumidos de imediato e precisam de ser refinados para depois serem classificados como virgm ou extra virgem, seguindo para o mercado consumidor com a designação “Azeite – contém azeite refinado e virgem”.
Parte desta informação consta no site Casa do Azeite.

Este é um produto que além de ser nacinal é de extrema importância nutricional e que deve fazer parte da nossa dieta alimentar.

Wednesday, March 04, 2009

Azeite


O azeite ou óleo de oliva é sem dúvida a gordura de eleição dos grandes chefs e porquê?

Porque possui várias substâncias benéficas a saúde. Ele pode reduzir a quantidade de LDL (mau colesterol) do organismo, devido a sua grande quantidade de gordura monoinsaturada, a gordura que não se transforma em colesterol o que reduz o risco de um AVC e outras doenças cardiovasculares.

O azeite previne igualmente as oxidações biológicas pois é rico em polifenóis, que reduzem a formação de radicais livres (responsáveis pelo envelhecimento, e doenças degenerativas, como o cancro).

É então preferível usar esta gordura vegetal em favor de outras menos benéficas à nossa saúde.

Chef José Avillez


It is now time to feature a fellow citizen of mine, chef José Avillez, a young Portuguese cook that has long left the fame of a wanna-be master chef. He’s undoubtedly a great reference when it comes to Portuguese gastronomy and high-class cooking.

Although he hasn’t yet reached his 30ies, he Avillez already a surprising career for someone that has only joined the world of gastronomy after finishing his undergraduate degree in Business Communication and Marketing. After doing internships in some prestigious restaurants in Spain, France, Brazil and Portugal, he has led “100 Maneiras” (100 Manners) and even created his own company: Life Style Cooking, based in Hotel Albatroz, Cascais.

The story goes that Avillez had always enjoyed cooking since a small boy, destiny led him toward an arguably completely different field. Nevertheless, his undergraduate thesis pulled him into gastronomy’s way. According to its title, “Portuguese Cooking, Image an Identity”, there he discoursed about the way the Portuguese and foreigners saw Portugal’s gastronomy. The supervisor of this thesis was Mara de Lourdes Modesto, a famous author for several books and Tv shows dedicated to gastronomy. Back then, he also went to a whine workshop at José Bento dos Santos’ Quinta do Monte d’Oiro, which further increased his interest in gastronomy.

Avillez felt an enormous incentive to pursue his real passion right away, and soon afterward he started an internship at Fortaleza do Guincho restaurant, staying there for six months.
Avillez didn’t do any specific programme on the subject, going as the wind blew to some sporadic courses, as the one in Alain Ducasse’s school. It was for his personal experience and from his internships that he constantly perfected his style until mastery.

With only 24 years (in 2004), he took on the major task of creating his own brand, the restaurant 100 Maneiras, in Cascais, with chef Ljubomir Stanisic. His creativity would be later recognized by the Portuguese Whine Magazine with the “Ground-breaking chef of 2005” award, and his restaurant elected the best of the same year. In 2005, and following his good work and a presentation dinner he gave at the iconic Hotel Bristol, he was recognised as “Chef de l’Avenir” by the International Gastronomy Academy.

Meanwhile, he has been in Brazil to open yet another restaurant, opening a second one upon his arrival – Life Style Cooking, in 2007, all being about “All that live, feeds”. This company has many areas of intervention, a corporation made for the traveller that is looking to learn and live new experiences through cooking courses, take-away or gourmet catering.

In the mean time, he ran his own television show and published three books, “Stylish appetisers”, “José Avillez, a chef at your home” and “Sugarless sweets”.

Nowadays, Avillez is running the acclaimed Tavares restaurant in Lisbon.
He says he doesn’t like to label his cuisine, only using good Portuguese ingredients without any fundamentalisms, “I try to make Mediterranean cuisine, based on the travels I often do.” A cuisine that aims to satisfy both the body and the spirit.

To conclude, José Avillez, a sexy looking hef, already had the pleasure to be in the best schools of the best chefs in the world, from Alain Ducasse to Ferran Adrià, Claude Trois Gros and Eric Frechn.

An amazing story for some one who does not want to stop, continuing to demonstrate, inside and outside his own doors, that gastronomy requires great passion and hard work.

We are going to London


Bem, os próximos dias serão passados fora do país, mais precisamente em Londres, hehe.

Partimos hoje á tarde para Faro, de comboio, para amanha de manhã apanharmos avião para o aeroporto de Heathrow. Mas o curioso será o facto de passarmos esta noite no aeroporto de Faro, dada a falta de “senso quotidiano” do meu Tiago que se esqueceu que não há nenhum transporte rodo ou ferroviário que faça a viajem Lisbo- Faro durante a noite, e como tal a solução encontrada foi esta, passar a noite em cadeiras desconfortáveis de um aeroporto à espera do avião que partirá por volta das 10 da manha de amanhã, da 5.

Será certamente uma viajem fantástica, já há muito planeada e que nos levará a muitos dos ícones culturais e populares da capital inglesa.

Pretendo passar pelo Fifteen, assim como pela Books for Cooks, no que à gastronomia diz respeito, para depois aqui poder reportar o que por lá vi e senti.

Bem, vou agora terminar de fazer a malita e umas ultimas coisas aqui por casa, e assim que regressar posarei aqui o resultado do jantar de amigos (poucos mas bons) que ontem dei cá em casa, com muito sabor italianos. Esperem para ver.

Todavia, Passos continuará como sempre, ou seja, com posts já agendados das mais variadas rubrícas e não só.

Até ao meu regresso.

Tuesday, March 03, 2009

Queijos DOP, um Orgulho Nacional


No artigo anterior, escrevi sobre os nossos queijos DOP, mas somente referi quais os que possuíam esse certificado da União Europeia. Desta vez, encontrei aqui na web uma outra lista deste tipo de queijos com a sua respectiva descrição (curta), e que me parece de alguma forma elucidativa e ajuda a despertar a curiosidade para um conhecimento mais profundo deste quitute tradicional.

Queijo da Serra [DOP] - é um dos mais conhecidos, amanteigado e feito a partir de leite de ovelha.

Queijo de Azeitão [DOP] - é produzido com leite de ovelha, a zona da Serra da Arrábida assegura as condições ideais para a produção deste queijo. Produzido em Sesimbra, Palmela e Setúbal.
Queijo de Nisa [DOP] - Produzido no Alto Alentejo, com leite de ovelha. É um queijo semi-duro produzido em 8 concelhos da região.

Queijo Picante da Beira Baixa [DOP] - com um sabor forte a picante, é feito com leite de ovelha ou de cabra, por vezes até com uma mistura dos dois.
Queijo do Pico [DOP] - para este queijo é usado leite de vaca. Produzido nos Açores, na Ilha do Pico.

Queijo Terrincho [DOP] - é feito com leite de ovelha da raça Churra da Terra Quente. A alimentação natural destas ovelhas permite que no Vale do Douro superior se produza este queijo.

Queijo de Cabra Transmontano [DOP] - produzido com leite de cabra, em concelhos do distrito de Bragança e de Vila Real.

Queijo de Évora [DOP] - queijo produzido no Alentejo com leite de ovelha. Caracteriza-se por ser um pouco picante e escurecer ao longo do tempo quando em contacto com o ar.
Queijo S. Jorge [DOP] - fabricado nos Açores (como o Queijo do Pico), mas desta feita, exclusivamente na Ilha de São Jorge, este queijo é feito com leite de vaca e apresenta uma consistência firme.

Queijo Mestiço de Tolosa [DOP] - Portalegre é o distrito onde este queijo é produzido. O nome provém da mistura de dois tipos de leite
Queijo Rabaçal [DOP] - a região centro do país é o local de produção deste queijo. Feito com leite de ovelha e cabra, os concelhos de produção situam-se em torno do maciço da Serra de Sicó.


Todavia, fico confusa, uma vez que a lista que apresentei no anterior post não corresponde a esta lista, ou seja, fico sem saber ao certo quantos e quais queijos portugueses realmente possuem este certificado. Se alguém me puder esclarecer quanto a esta dúvida ficarei bastante grata. No entanto, este assunto tornou ainda mais sólida a imperatividade de comprar o livro, Queijos Portugueses, de Maria de Lourdes Modesto e Manuela Barbosa.

Não me posso olvidar do facto de o Queijo de Nisa constar na lista de 100 melhores queijos do mundo apresentada pela revista norte-americana “Wine Spectator”em 2008. Os meus parabéns a todos que trabalham para que a tradicional confecção deste queijo se mantenha e aqueles que divulgam este produto nacional de Qualidade.
(Para mais informação consulte o artigo Sabor Além Fronteiras do site Chefes de Cozinha)

Monday, March 02, 2009

Arroz para todas as ocasiões




O arroz é dos produtos mais produzidos e consumidos no mundo inteiro, e porquê? Porque é versátil, adaptando-se ás várias formas de confecção.

Ou seja, existem vários tipos de arroz e para que as investidas pela cozinha resultem bem é necessário que conheçamos essa versatilidade de forma a podermos usar o mais adequado à situação.

Carolino - Esta é a variedade mais cultivada em Portugal. É um grão longo e arredondado. Muito versátil e o que melhor se adapta à cozinha tradicional portuguesa, uma vez que se interliga muita bem com os outros ingredientes. Tanto é adequado para fazer o chamado arroz malandrinho, como arroz solto (seco) ou para o saboroso arroz doce.

Agulha – Este é o arroz mais comercializado a nível mundial. É longo, mas mais estreito que o carolino e é indicado para os pratos que pedem um arroz solto, nomeadamente no forno, uma vez que possui um alto teor de amiltose que lhe permite ficar com uma textura firme depois de cozido.

Arbório – Este é um grão parecido com o carolino, mas mais cheio e com um laivo branco que o caracteriza. Indicado para os famosíssimos risotos, mas também pode servir para ligar sopas.

Asiáticos – Estes podem ser encontrados nas lojas de produtos asiáticos ou em lojas gourmets e destinam-se na sua grande maioria ao sushi.

Basmati – Diferencia-se dos outros, em especial pelo seu aroma, daí que seja adequado para pratos onde se pretende ressaltar o sabor do arroz com alguma coisa. Possui uma textura seca.

Integral – Este apresenta algumas desvantagens, nomeadamente o facto de ter de ficar de molho antes de ser cozinhado, assim como a extrema dificuldade em misturar-se muito bem com os outros ingredientes (problema de liga). Contudo, apresenta vantagens nutricionais, em virtude das suas propriedades antioxidantes.

Vaporizado – É também designado de arroz estufado e ao contrário dos outros, este tipo de arroz não é descascado ficando com um aspecto acastanhado e ao ser cozinhado ganha uma textura firme e menos pegajosa. Tal acontece porque o amido gelatiniza quando é descascado. À semelhança do arroz integral, este também possui uma grande dificuldade para interagir com os outros ingredientes e captar os aromas e sabores.

Sunday, March 01, 2009

Nouvelle Cuisine

Nouvelle cuisine - this is a word adapted in the second half of the XX century, and one that reports to a trend then arising in French gastronomy that appealed to highlighting the natural flavour of the ingredients, to its softness and exquisiteness while emphasizing the dish’s presentation.

Some of its main characteristics:
- more simplicity and less confection time
- bigger menus have been replaced by smaller and lighter ones
- use of new ingredients
- “demanding” sauces have been replaced by more easily digested and low-calories
- Use of new techniques and new equipments
- Chefs following this trend have used their creativity to create new combinations and old recipes for inspiration

Facebook Share